Elas bateram de frente com eles

_abril de 2019

Favela. Casa sem portão. Jovem preto no quintal caminha em direção da casa. É seguido. Crianças na sala. Eles entram. Engatilham. Alegam atitude suspeita. Elas saem. Param na porta. Eles regridem. Mas não desistem do tal suspeito.

- Sai da minha casa, vocês não podem entrar na minha casa sem um mandado

- Podemos sim. Somos a lei.

- Não podem.

- Podemos, eu estudei sobre isso. Pode procurar.

- Não podem. Sai da minha casa

Os passos se apressam. Elas proteger suas crias. Eles regridem. Sabem que cometeram um erro ao invadir uma residência sem o devido mandado. Mas insistem que estão no direito, que estudaram as leis.

- Também conhecemos as leis. Não é porquê moramos na favela que não sabemos os nossos direitos.

Eles batem boca com elas. Querem puxar a ficha do elemento. Elas pedem para que o rapaz vá para fora e seja revistado. Eles pegam o documento. Revistam. Fazem a consulta do RG. E nada consta.

- Só estamos fazendo o nosso trabalho.

- Também somos trabalhadores. Tem que ir atrás de bandido.

- Onde estão os bandidos? Vocês são informantes? Falem pra gente onde estão!

- Aqui não tem nenhum informante.

O debate é intenso. As crianças choram. Os ânimos se exaltam. Um deles vai até o veículo pega uma arma mais pesado. Engatilha.

- Pra que isso? Não tem ninguém armado aqui.

- É só por precaução.

- Vou filmar isso.

- Não pode filmar.

- Sou autoridade.

Após ameaças. Desrespeitos. Excessos. Eles vão embora. Putos por serem confrontados por MULHERES.

* baseado em FATOS REAIS. E isso não é novidade.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store